LANÇAMENTO DO PERIGOSO EM VINIL – PRE VENDA – LINK

PRÉ-VENDA
“Perigoso” – NASI

Lenda viva da cena do Rock nacional lança seu novo trabalho em edição limitada no formato de LP com vinil de cor exclusiva branca.

O terceiro disco solo desse ícone do rock nacional contém dez canções que compõem o lado A e B do vinil. Músicas como “Dois Animais na Selva Suja da Rua” gravada por Erasmo Carlos e a faixa-título mostram uma sonoridade que flerta com o rock, country e blues.

Ao longo desse prestigiado disco, Nasi nos presenteia com versões de composições brasileiras como “Não Há Dinheiro que Pague” de Renato Barros e homenageia Raul Seixas com a releitura da canção “As Minas do Rei Salomão” e finaliza com a faixa inédita “Amuleto” num estilo country-blues-gospel.

Adquira essa Edição de Luxo do aclamado ícone da cena do Rock brasileiro
e aproveite todas as vantagens exclusivas!

A edição em LP de “Perigoso” é limitada em 250 unidades, item exclusivo para fãs e colecionadores. Adquirindo na pré-venda o disco virá junto de um marcador de livros com a arte do álbum, além do preço, que é o menor do Brasil. Comprando agora, você adquirirá um vinil prensado na Europa, a preço de fábrica.

http://www.media4music.com.br/wp/prevenda/nasi/

Publicado em Todos

NASI ESTRÉIA PROGRAMA NO CANAL BRASIL EM MAIO

Olá Pessoal,

Hoje a folha deu em primeira mão nota sobre meu futuro programa no canal Brasil, vou dar mais detalhes.
O nome “Nasi Noite a Dentro” ainda é provisório pois necessita de averiguação de possivel registro dessa marca.
Não é um programa sobre jet set mas sobre o anti jet set, ou seja, pessoas, profissições, lugares, insolitos ou exoticos da noite de São Paulo e também do Rio de Janeiro.
O que for esquesito, estranho e fora do normal será em geral o tema das pautas. Pessoas e artistas interessantes também. Vou dar um exemplo: Iremos ao encontro de um ex lutador de sumo que tem um restaurante na Liberdade especializado em “dieta” para lutadores de sumo… rsrsrsrsrsrs…. feijoada na madrugada, transportadores de lixo tóxico e até um espirito incorporado em um medium que atende na madrugada, serão algumas das pautas que começo a gravar no final de janeiro. Pode ser que eu aproveite minhas viagens para shows e discubra algum evento insolito em cidades do Brasil, por isso, abro esse espaço para vocês de todo o Brasil me sugerirem materia em algo diferente que existe na noite da cidade de vocês.
O programa estreia em maio, todo sabado as 0:00 com reprise durante a semana.

Publicado em Todos

Cantor paulista dá a volta por cima com álbum conciso, maduro e intenso

SALVADOR SEGUNDA-FEIRA 17/12/2012
Cantor paulista dá a volta por
cima com álbum conciso, maduro e intenso
Mais equilibrado,
Nasi lança seu
melhor CD solo
desde o Ira!
CHICO CASTRO JR.
Uma das personalidades mais
fortes do rock brasileiro desde
sempre, Nasitemlonga folhade
serviços prestados ao gênero
desde os tempos do Ira!. Com
seu novo CD solo, Perigoso (TramaVirtual
/ Coqueiro Verde), se
mostra tão relevante hoje quanto
nos saudosos Dias de Luta.
Gravado em apenas um mês
nos estúdios da gravadora Trama,
o álbum foi lançado em CD
pelo selo Coqueiro Verde. Conciso,
traz dez faixas.
“Esse projeto da Trama Virtual
é muito legal. Ela dá ao
artista um mês de estúdio, sendo
que você passa parte do tempomonitoradoaovivopelofãs”,
conta Nasi, por telefone.
“Ummês não é muito tempo,
mas também não é pouco. Então
esse esquema fez com as
gravações rolassem com bastante
intensidade e crueza. O
som é o de um disco de banda
ao vivo”, acredita o cantor.
Metade do repertório é de
faixas inéditas, parceriasdopróprio
cantor com seus músicos
Johnny Boy (vários instrumentos)
eNivaldoCampopiano(guitarra),
além do letrista Carlos
Careqa, na linda balada Não Vejo
Mais Nada de Você. A outra
metade é de releituras.
As cinco são pérolas mais ou
menos conhecidas, como As Minas
do Rei Salomão (Raul Seixas
e Paulo Coelho), Não Há DinheiroquePague(
Renato Barros, hit
navozdeRobertoCarlos),Como
É Que Vou Poder Viver Tão Triste
(Demetrius), Tudo Bem (Garotas
Suecas) e Dois Animais na
Selva Suja da Rua (Taiguara).
“Essas faixas são coisas que
passei muito tempo escutando
até chegar a esta seleção. Primeiro,
fiz uma lista com vinte
candidatas. Depois, dez. Finalmente,
cheguei nessas cinco”,
conta Nasi.
“Na verdade, o projeto original
era lançar este disco com
minha autobiografia (A Ira de
Nasi, Ed. Belas Letras, lançado
em setembro), Inclusive, o livro
e o disco tem a mesma foto de
capa”, acrescenta.
“Mas quando o livro saiu, eu
ainda estava terminando as letras,
que acabaram saindo com
umtombemconfessional. A autobiografia
deu essa atmosfera.
Ele poderia ser ouvido como
uma trilha para o livro”, vê.
Macaco velho, dono de talento
inegável, Nasi conseguiu
um feito e tanto em Perigoso ao
conseguir estabelecer um equilíbrio
entre seu repertório autoral
e standards de Raul, da
Jovem Guarda e Taiguara.
Passa-se deumafaixa a outra
com leveza e fluidez numa audição
bastante agradável, sem
abrir mão da visceralidade que
é a marca registrada de Nasi.
“O (Marcelo) Sussekind (produtor,
ex-Herva Doce) uma vez
disse que disco a gente não acaba.
A gente desiste”, ri Nasi.
“Sempre tem um detalhe,
uma filigrana, mas sim, o disco
está intenso e resume bem minha
música hoje”, acredita.
Tempo de vinil e oração
Ele, que sempre foi da marca de
roqueiro “direto ao ponto”, fez
questão de refletir essa atitude
na própria duração do álbum,
com menos de 40 minutos no
total. “Investi no tempo do vinil.
Na época, trabalhávamos com
tempo limitado. Era vinte minutos
por lado”, lembra.
“Com os CDs, veio uma pressão
para fazer discos com14, 16
faixas.Antigamente, pré-produzia-
se 15 ou 16 músicas e escolhíamos
dez. Com o CD, diluiu-
se muito o resultado final,
por que a verdade é que nem
tudo o que se compõe vale a
pena ser gravado”, admite.
Surpreendentemente, uma
das melhores faixas autorais,
Ori, é uma oração. É que Nasi é
iniciado no culto de Ifá pelo sociólogo
nigeriano Babá King.
“Ori é, literalmente, ‘cabeça’,
mas no orixá é a divindade pessoal
da cada um, o eu superior.
Fiz a letra baseado numa interpretação
dos versos de Ifá que
consultei no acervo do Mestre
King, sociólogo da Usp que desenvolveumculto
tradicional de
orixá”, conclui

Publicado em Todos

Nasi lança disco e fala sobre fama de pegador: ‘Se não fui o maior artilheiro do rock Brasil devo estar no G4’

Nasi, o ex-líder da banda Ira! lança o disco, “Nasi Perigoso”, que traz canções autorais e releituras de grandes nomes da música como Erasmo Carlos, Taiguara, Raul Seixas, Paulo Coelho, Demetrius, etc. Em entrevista ao EXTRA, o cantor fala sobre o disco e comenta sua biografia, recém lançada, que trouxe histórias polêmicas envolvendo sexo e drogas.
O que você pode destacar deste disco ‘Nasi Perigoso’?
As parcerias em composições com Johnny Boy , que ja vinham da época dos primeiros solos de blues. A gravação e a mixagem, que deram um resultado dos melhores em termos de rock’n’roll , sujo pesado, mas com muita qualidade. E, no geral, um equilíbrio entre inéditas e regravações de modo que todas ficaram orgânicas.
Quais foram as maiores inspirações para compor as músicas deste álbum?
Pessoalmente 2012 foi um ano de muitas vitórias pessoais, de reconciliações e superação dos conflitos que me rondavam desde o final do Ira. Eu acho que essas circunstâncias permeiam todas as letras do disco. Inspirações musicais, eu citaria a jovem guarda, Johnny Cash , o blues e o hard rock.
Por que este título ‘Perigoso’? Ele está relacionado de alguma forma à sua personalidade ou mudança dela?
Em parte é isso mesmo. Quando nos blindamos com tranqüilidade e temos foco ai realmente seremos perigosos para nossos inimigos e nossos problemas. No mais, eu considero essa uma das faixas mais emblemáticas do disco.
Quando decidiu fazer a biografia?
Recebi um convite da Editora Belas Letras para lançar a biografia. Como tinha contato com o Alexandre Petilo, jornalista que havia escrito uma biografia do Ira não lançada, pensei em utilizar parte desse material e chamei o Mauro Beting para reescrever a historia a partir do meu ponto de vista , assim nasceu a Ira de Nasi.
No livro você fala sobre sua relação de “amor e ódio” com as drogas. Qual foi o papel da cocaína em sua vida?
O pior papel possível, papelotes e papelões.
Também no livro, você corrige o número de mulheres que já transou. Você realmente contabilizou suas conquistas? Quantas seriam afinal?
(Risos). É claro que nunca contei. Mas a “Playboy” quis me deixar constrangido e eu inverti a situação deixando a redação de boca aberta. O que posso afirmar numericamente é que calculo por volta de 2 mil shows feitos na minha vida profissional e meu índice de aproveitamento, digamos, era próximo ao do artilheiro Fred fazendo gols. Se eu não fui o maior artilheiro do rock Brasil devo estar no G4.
Como você analisa a produção do rock nacional hoje?
Não há rock hoje na grande mídia que mereça destaque pela qualidade . O rock nacional esta de volta ao underground. Das que conheço gosto de Garotas Suecas e Cachorro Grande.
Quais as vantagens de uma carreira solo?
Controlar o seu trabalho em todos os aspectos , profissional, artístico etc do começo ao fim.

Publicado em Todos

Nasi lança álbum coeso com versões e inéditas

Nasi lança álbum coeso com versões e inéditas

THALES DE MENEZES
EDITOR-ASSISTENTE DA “ILUSTRADA”

Erasmo Carlos, Taiguara, Raul Seixas, Paulo Coelho, Demetrius, Paulo Sérgio, Renato & Seus Blue Caps, Garotas Suecas. Trata-se de um balaio de nomes de várias épocas da música popular. Tudo na voz rouca de Nasi.

“Perigoso”, primeiro disco que o ex-vocalista do Ira! grava após lançar uma escancarada biografia em livro, traz rocks de próprio punho e uma coleção inusitada de covers. E agrada bastante.

Depois de álbuns sob a alcunha de Nasi & Os Irmãos do Blues, projeto em que o nome da banda já denunciava sua orientação musical, ele investe em rock básico, de guitarra e batida forte.

“Dois Animais na Selva Suja da Rua”, que abre o disco, tem um título que se encaixa na fama de “bad boy” do cantor e parece nome de peça de Plínio Marcos. Mas é uma canção de Taiguara, figura marcante na MPB sensível.

Nasi, ex-vocalista da banda de rock Ira!, que lança “Perigoso”
Nasi deve gostar da versão gravada por Erasmo Carlos em 1971. Ambas têm a pegada roqueira para versos como “Vamos fazer nosso lar/ Onde o caminho cansar nosso corpo / Nossa vida”.

As letras trazem uma urgência “positiva”, um posicionamento de encarar a vida. Está claro na faixa “Tudo Bem”, original da banda Garotas Suecas: “Se é pior do que parece / Tudo bem/ Se você teve mais do que merece / Tudo bem / Se é mais forte que você / Tudo bem”.

Continua nas autorais de Nasi -quase todas escritas com Johnny Boy, de sua banda-, como “Ori”: “Cabeça afaste de mim qualquer doença / Para que me sobre um corpo que ainda pensa / Cabeça seja forte em todos meus conflitos / Para que eu não seja mais um entre os aflitos”.

O tom redentor segue em “Não Há Dinheiro que Pague”, escrita por Renato Barros, famoso na jovem guarda como o líder do Renato & Seus Blue Caps”.

A música virou hino pop na voz de Paulo Sérgio (1944-1980), um dos maiores ídolos românticos da canção brasileira nos anos 1960 e 1970.

Mais uma visita à jovem guarda está em “Como É que Eu Vou Viver Tão Triste”, de Demetrius -mais conhecido pelo hit “O Ritmo da Chuva”. Outra letra integrada ao tom confessional que atravessa todo o álbum.

Depois de tantas regravações “inesperadas”, soa natural a inclusão de “As Minas do Rei Salomão”, de Raul Seixas e Paulo Coelho. “Lê a minha sorte / Tanto faz a vida como a morte / O pior de tudo eu já passei…” diz a letra.

A voz cada vez mais rasgada de Nasi se presta bem às regravações escolhidas e também às composições próprias, sustentadas por uma banda afiada no estúdio.

“Perigoso” mostra que, aos 50 anos, Nasi tem condições de se reinventar com bons resultados. Coisa muito rara entre artistas de sua geração.

PERIGOSO
ARTISTA Nasi
GRAVADORA Coqueiro Verde
QUANTO R$ 30
AVALIAÇÃO ótimo

Publicado em Todos

COMO É QUE VOU PODER VIVER TÃO TRSITE

Ola pessoal , com o lançamento do Perigoso pretendo comentar algumas musicas e o processo de criação delas.
Vou comentar a musica Como é que vou poder viver tão triste.
Willie Dixon disse: ” The Blues are the roots and the other music are the fruits” . Baseado nisso eu me inspirei em Screamin Jay Hawkins para fazer essa versão da musica do Demetrius , gravada pelo Paulo Sergio. Confiram aqui a versão da minha musica e no proximo post ouçam I put spell on you e mandem seus comentarios.

Publicado em Todos

PERIGOSO – NOVO CD NO ALBUM VIRTUAL DA TRAMA

Ola pessoal , Hoje já esta disponível para audição no site álbum virtual da Trama o CD Perigoso.Vou ficar feliz de ler os comentários e opiniões de vocês. Em dezembro o CD chega em todas as lojas pela Coqueiro Verde.
http://albumvirtual.trama.uol.com.br/lancamentos

Publicado em Todos